CHINA Bispo Shao Zhumin, fazendo aumentar os rumores de que poderá ter sido levado para um “campo de trabalho”

CHINA

Bispo Shao Zhumin, fazendo aumentar os rumores de que poderá ter sido levado para um “campo de trabalho”



CHINA Bispo Peter Shao Zhumin


O desaparecimento de D. Peter Shao Zhumin, detido pelas autoridades de Wenzhou, na província de Zhejiang, poucos dias antes do falecimento do Bispo local, D. Vincent, de forma a impedir a sua participação nas cerimónias fúnebres, assim como de assumir o cargo para o qual foi escolhido pelo Santo Padre, está a preocupar sobremaneira a comunidade cristã local.

Cresce o receio, entre os cristãos de Wenzhou – conhecida como a “Jerusalém do Oriente” –, de que o prelado poderá ter sido levado inclusivamente para um “campo de trabalho” ou de “reeducação”, algures no noroeste da China.

A falta de notícias sobre D. Peter permite todas as especulações, tanto mais que a sua ausência foi impossível de esconder durante o funeral de D. Vincent, que decorreu na semana passada e, como a Fundação AIS então revelou, transformou-se numa massiva manifestação de fé cristã com a presença, apesar da vigilância governamental, de mais de cinco mil fiéis.

De facto, D. Shao Zhumin pertence à comunidade católica local fiel a Roma. A sua nomeação pelo Santo Padre não só não foi reconhecida pelas autoridades comunistas, como representa, na opinião de Pequim, uma intromissão nos assuntos internos da China.

Além deste Bispo, três outros sacerdotes - um deles, secretário pessoal de D. Shao - estão dados também como desaparecidos, sendo que todos pertencentes à chamada “Igreja clandestina”.

D Vincent Zhu Weifang, recorde-se, passou mais de duas décadas detido em campos de reeducação e morreu a 7 de Setembro, aos 90 anos, vítima de cancro.

Depois de décadas ao serviço da “Igreja clandestina”, só em 2010 é que as autoridades comunistas deram a D. Vicent também o reconhecimento oficial como líder diocesano. No entanto, isso não impediu que a enorme campanha de demolição de cruzes em igrejas e outros templos nesta diocese continuasse a decorrer.

De facto, Wenzhou tem sido notícia, nos últimos anos, pela campanha de demolição de cruzes levada a cabo pelo governo local e pela resistência que isso tem provocado na comunidade cristã.


PA | Departamento de Informação da Fundação AIS | info@fundacao-ais.pt

Mensagens populares deste blogue

FÁTIMA Centenário das Aparições – Papa Francisco presidirá à canonização de Francisco e Jacinta Marto

EGIPTO Nova explosão no Egito às portas de outra igreja

SÍRIA Coligação internacional bombardeia barco e mata mulher e filhos