Mensagens

A mostrar mensagens de Fevereiro, 2016

MUNDO Eis as uniões civis: um matrimônio camuflado

VATICANO Entrevista a três Missionários da Misericórdia

PORTUGAL Bruxelas diz que falta de acordo à Esquerda coloca défice em risco A Comissão Europeia continua a duvidar da redução do défice prevista pelo Governo português para 2016, admitindo que existe o risco de o executivo socialista não encontrar um acordo à esquerda parlamentar caso sejam necessárias mais medidas de consolidação orçamental. © Lusa ECONOMIA RELATÓRIO15:04 - 26/02/16POR LUSA No relatório específico sobre Portugal, e no qual é dado seguimento ao mecanismo de alerta de desequilíbrios macroeconómicos no âmbito do Semestre Europeu, a Comissão Europeia afirma que "há riscos de deterioração" das perspetivas orçamentais deste ano. Em causa estão as "incertezas que pesam sobre as perspetivas macroeconómicas, sobre possíveis derrapagens na despesa e os riscos de não haver acordo político sobre ulteriores medidas de consolidação para 2016", alerta a Comissão Europeia. Neste relatório, Bruxelas tem em conta ainda as previsões de inverno, publicadas a 4 de fevereiro, onde prevê um défice de 3,4% do PIB e um crescimento económico de 1,6% este ano. Bruxelas lembra que essas previsões tiveram em conta ainda o esboço de plano orçamental, enviado a Bruxelas a 22 de janeiro, e que ainda não incluem "as medidas adicionais que visam a melhoria do saldo de cerca de 0,5% do PIB que o Governo português anunciou em 5 de fevereiro", com a entrega da proposta de Orçamento do Estado para 2016 (OE2016). Entre a apresentação do esboço de plano orçamental, enviado a Bruxelas a 22 de janeiro, e a entrega na Assembleia da República da proposta de OE2016, o Governo português acrescentou medidas no valor de 1.125 milhões de euros, depois de negociações com Bruxelas. Assim, o Governo reviu as metas de défice, esperando agora que fique nos 2,2% do PIB este ano, e de crescimento económico, antevendo que o PIB avance 1,8% em 2016. Ora, a Comissão Europeia estima que a economia avance 1,6% em 2016, mas admite riscos "menos animadores" também sobre esta perspetiva, que estão relacionados com "a natureza e o ritmo da desalavancagem das famílias e, em especial, das empresas". Acrescem ainda riscos políticos: "A incerteza política poderá aumentar os prémios de risco e levar os consumidores a adiar despesas e as empresas a protelar investimentos". O relatório é um documento de trabalho dos serviços da Comissão Europeia e não constitui uma posição oficial da Comissão.

PORTUGAL CDS louva política de Governo PSD/CDS por virar "página da recessão"

PAQUISTÃO Mais de 30 rebeldes islamitas foram mortos em ataques

PORTUGAL SINTRA Grupo armado em fuga faz um morto após assalto a carrinha de valores em Sintra

VATICANO Cardeal Sandri: cristãos valem mais que petróleo, gás e o tráfico de armas

VATICANO Papa: "Deus não manda desgraças para nos castigar

PSD Passos dispensa segurança, ganha menos e almoça a trabalhar

ARGENTINA Luta à pobreza marca encontro entre Papa e Presidente argentina

ANO DA VIDA CONSAGRADA POBREZA

PORTUGAL O PSD acusou hoje o BE de "radicalismo" ao usar cartazes

PORTUGAL Política: Cartaz sobre a adopção é «injurioso»

LISBOA MARISTAS: 250 professores vão debater desafios da missão educativa

SÍRIA Rússia bombardeia bastiões rebeldes horas antes de cessar-fogo

BANGLADESH Alta tensão para as minorias e vida blindada para missionários

PORTUGAL Opinião da Moody's não muda posição de Passos. "OE2016 é irrealizável"

PORTUGAL NOVO BANCO "Não é a ameaçar com nacionalizações que perspetiva de venda melhora"

MISERICÓRDIA Salmo de louvor à misericórdia do Senhor