SMBN VALADARES Assembleia Regional do Portugal por P. ADELINO ASCENSO* 4-5 de janeiro de 2016 A Assembleia Regional de Portugal realizou-se em 4 e 5 de janeiro de 2016, no Seminário de Valadares, e contámos com a presença do P. Vítor Feitor Pinto no primeiro dia, o qual nos ajudou a reflectir sobre o tema da Misericórdia, em conformidade com o Ano Santo Jubilar da Misericórdia (08-12-2015 a 20-11-2016). Depois da sua apresentação feita pelo Superior Geral, P. Adelino Ascenso; P. Vítor começou por referir-se ao Papa Francisco, realça a dimensão da ternura de Deus que afirma, categoricamente, que o pessimismo é obra do diabo. No dizer de Walter Kasper, a misericórdia é um tema actual, mas imperdoavelmente esquecido. A misericórdia concretiza o carisma cristão; é condição da nossa salvação; é a Palavra que revela a Trindade; é o acto último e supremo pelo qual Deus vem ao mundo. A misericórdia é o olhar de Deus a cruzar-se com o nosso olhar; cada encontro em Jesus Cristo é um encontro de misericórdia. Ao pecado do homem Deus responde sempre com a plenitude do perdão. O paradigma do cristão é o amor. A fé e a esperança têm dimensão têm uma temporal; o amor uma dimensão eterna. A sabedoria do coração é servir sempre o outro; ir sempre ao encontro do outro; sem o julgar. Tendo em conta o facto de que a Igreja é sacramento de amor e misericórdia, todos os cristão devem ser missionários da misericórdia. Para viver ao ritmo da misericórdia, urge que se intensiifique a forormação das consciências, na linha da Gaudium et Spes 16-17: saber porque se faz o que se faz. De tarde, o orador apresentou-nos o desafio de sermos misericordiosos como Deus Pai é misericordioso; de descobrirmos os gestos de misericórdia que podemos ter. Para isso repassou as obras de misericórdia corporais (dar de comer a quem tem fome; dar de beber a quem tem sede; vestir os nus; dar pousada aos peregrinos; visitar os enfermos; visitar os presos; enterrar os mortos) e as espirituais (dar bons conselhos; ensinar os ignorantes; corrigir os que erram; consolar os tristes; perdoar as injúrias; suportar com paciência as fraquezas do nosso próximo; rezar a Deus por vivos e defuntos), na forma de estímulo para que organizemos a misericórdia, sabendo que ela é geradora de felicidade. radora de felicidade. As obras de misericórdia exigem selecção rigorosa, avaliação permanente, formação continuada e saber escutar. Acentuou que todas as nossas comunidades são lugares de misericórdia na correção fraterna, nas relações pessoais e interpessoais e comunitárias. Como fazer? cultivar o espírito de perdão, contribuir para que as nossas casas sejam escolas de perdão e reconciliação, de ternura e carinho – especialmente para com os idosos e doentes. Sugeriu-se que a Bula Misericordiae vultus, fosse lida individualmente e em comunidade. *Superior Geral

SMBN
VALADARES
Assembleia Regional do Portugal por P. ADELINO ASCENSO*


4-5 de janeiro de 2016
A Assembleia Regional de Portugal realizou-se em 4 e 5 de janeiro de 2016, no Seminário de Valadares, e contámos com a presença do P. Vítor Feitor Pinto no primeiro dia, o qual nos ajudou a reflectir sobre o tema da Misericórdia, em conformidade com          o Ano Santo Jubilar da Misericórdia (08-12-2015 a 20-11-2016).
Depois da sua apresentação feita pelo Superior Geral, P. Adelino Ascenso; P. Vítor começou por referir-se ao Papa Francisco, realça a dimensão da ternura de Deus que afirma, categoricamente, que o pessimismo é obra do diabo. No dizer de Walter Kasper, a misericórdia é um tema actual, mas imperdoavelmente esquecido. A misericórdia concretiza o carisma cristão; é condição da nossa salvação; é a Palavra que revela a Trindade; é o acto último e supremo pelo qual Deus vem ao mundo. A misericórdia é o olhar de Deus a cruzar-se com o nosso olhar; cada encontro em Jesus Cristo é um encontro de misericórdia. Ao pecado do homem Deus responde sempre com a plenitude do perdão. O paradigma do cristão é o amor. A fé e a esperança têm dimensão têm uma  temporal; o amor uma dimensão eterna. A sabedoria do coração é servir sempre o outro; ir sempre ao encontro do outro; sem o julgar. Tendo em conta o facto de que a Igreja é sacramento de amor e misericórdia, todos os cristão devem ser missionários da misericórdia. Para viver ao ritmo da misericórdia, urge que se intensiifique a forormação das consciências, na linha da Gaudium et Spes 16-17: saber porque se faz o que se faz.
De tarde, o orador apresentou-nos o desafio de sermos misericordiosos como Deus Pai é misericordioso; de descobrirmos os gestos de misericórdia que podemos ter. Para isso repassou as obras de misericórdia corporais (dar de comer a quem tem fome; dar de beber a quem tem sede; vestir os nus; dar pousada aos peregrinos; visitar os enfermos; visitar os presos; enterrar os mortos) e as espirituais (dar bons conselhos; ensinar os ignorantes; corrigir os que erram; consolar os tristes; perdoar as injúrias; suportar com paciência as fraquezas do nosso próximo; rezar a Deus por vivos e defuntos), na forma de estímulo para que organizemos a misericórdia, sabendo que ela é geradora de felicidade.
radora de felicidade.  As obras de misericórdia exigem selecção rigorosa, avaliação permanente, formação continuada e  saber escutar. Acentuou que todas as nossas comunidades são lugares de misericórdia na correção fraterna, nas relações pessoais e interpessoais e comunitárias. Como fazer? cultivar o espírito de perdão, contribuir para que as nossas casas sejam escolas de perdão e reconciliação, de ternura e carinho – especialmente para com os idosos e doentes.
Sugeriu-se que a Bula Misericordiae vultus, fosse lida individualmente e em comunidade. in VM fev 2016


*Superior Geral

Mensagens populares deste blogue

FÁTIMA Centenário das Aparições – Papa Francisco presidirá à canonização de Francisco e Jacinta Marto

SÍRIA Coligação internacional bombardeia barco e mata mulher e filhos

EGIPTO Nova explosão no Egito às portas de outra igreja