CUBA HAVANA Papa Francisco encontrou-se com o patriarca de Moscovo, Cirilo, em Cuba Foto Alejandro Ernesto/EPA Patriarca russo (CIRILO) e papa FRANCISCO em encontro histórico Morte de cristãos no Médio Oriente cria posição comum. Por João Saramago "Somos irmãos, temos o mesmo batismo": foi com estas palavras que o papa Francisco iniciou o encontro histórico com o patriarca ortodoxo russo, Cirilo. A crise dos cristãos do Médio Oriente e temas como a família e a defesa da vida estão na base da reunião, à porta fechada, que durou duas horas, no aeroporto internacional José Martí, em Havana (Cuba). Os dois líderes religiosos abraçaram-se e cumprimentaram-se com três beijos, tal como impõe a tradição ortodoxa. O encontro finalizou com uma declaração comum entre a Igreja Católica (1,2 mil milhões de fiéis) e a Igreja Russa, que conta 150 milhões de fiéis, num total de 240 milhões de ortodoxos espalhados pelo Mundo. Francisco e Cirilo disseram que "os cristãos estão a ser completamente exterminados em alguns países do Médio Oriente e Norte de África" e apelaram à ajuda humanitária. O Departamento de Relações Exteriores do Patriarcado de Moscovo adiantou que o encontro estava em preparação há mais de 20 anos e foi acelerado pelo "genocídio dos cristãos". Sobre as diferenças de doutrina que conduziram ao Cisma do Oriente, em 1054 (que separou a Igreja em duas, a Apostólica Romana e a Apostólica Ortodoxa), foi criada uma comissão para obter soluções comuns. O papa defendeu que as igrejas católicas orientais "têm direito de existir", mas sustentou que "o uniatismo é uma palavra de outra época". Os uniatas são cristãos que celebram as missas pelo rito ortodoxo, mas que devem obediência ao Vaticano.

CUBA
HAVANA  Papa Francisco encontrou-se com o patriarca de Moscovo, Cirilo, em Cuba
Foto Alejandro Ernesto/EPA. Papa FRANCISCO,  e Patriarca CIRILO, de Moscovo
Patriarca russo (CIRILO) e papa FRANCISCO em encontro histórico Morte de cristãos no Médio Oriente cria posição comum. Por João Saramago "Somos irmãos, temos o mesmo batismo": foi com estas palavras que o papa Francisco iniciou o encontro histórico com o patriarca ortodoxo russo, Cirilo. A crise dos cristãos do Médio Oriente e temas como a família e a defesa da vida estão na base da reunião, à porta fechada, que durou duas horas, no aeroporto internacional José Martí, em Havana (Cuba). Os dois líderes religiosos abraçaram-se e cumprimentaram-se com três beijos, tal como impõe a tradição ortodoxa. O encontro finalizou com uma declaração comum entre a Igreja Católica (1,2 mil milhões de fiéis) e a Igreja Russa, que conta 150 milhões de fiéis, num total de 240 milhões de ortodoxos espalhados pelo Mundo. Francisco e Cirilo disseram que "os cristãos estão a ser completamente exterminados em alguns países do Médio Oriente e Norte de África" e apelaram à ajuda humanitária. O Departamento de Relações Exteriores do Patriarcado de Moscovo adiantou que o encontro estava em preparação há mais de 20 anos e foi acelerado pelo "genocídio dos cristãos". Sobre as diferenças de doutrina que conduziram ao Cisma do Oriente, em 1054 (que separou a Igreja em duas, a Apostólica Romana e a Apostólica Ortodoxa), foi criada uma comissão para obter soluções comuns. O papa defendeu que as igrejas católicas orientais "têm direito de existir", mas sustentou que "o uniatismo é uma palavra de outra época". Os uniatas são cristãos que celebram as missas pelo rito ortodoxo, mas que devem obediência ao Vaticano.

Mensagens populares deste blogue

FÁTIMA Centenário das Aparições – Papa Francisco presidirá à canonização de Francisco e Jacinta Marto

EGIPTO Nova explosão no Egito às portas de outra igreja

SÍRIA Coligação internacional bombardeia barco e mata mulher e filhos