CUBA HAVANA Papa Francisco encontrou-se com o patriarca de Moscovo, Cirilo, em Cuba Foto Alejandro Ernesto/EPA Patriarca russo (CIRILO) e papa FRANCISCO em encontro histórico Morte de cristãos no Médio Oriente cria posição comum. Por João Saramago "Somos irmãos, temos o mesmo batismo": foi com estas palavras que o papa Francisco iniciou o encontro histórico com o patriarca ortodoxo russo, Cirilo. A crise dos cristãos do Médio Oriente e temas como a família e a defesa da vida estão na base da reunião, à porta fechada, que durou duas horas, no aeroporto internacional José Martí, em Havana (Cuba). Os dois líderes religiosos abraçaram-se e cumprimentaram-se com três beijos, tal como impõe a tradição ortodoxa. O encontro finalizou com uma declaração comum entre a Igreja Católica (1,2 mil milhões de fiéis) e a Igreja Russa, que conta 150 milhões de fiéis, num total de 240 milhões de ortodoxos espalhados pelo Mundo. Francisco e Cirilo disseram que "os cristãos estão a ser completamente exterminados em alguns países do Médio Oriente e Norte de África" e apelaram à ajuda humanitária. O Departamento de Relações Exteriores do Patriarcado de Moscovo adiantou que o encontro estava em preparação há mais de 20 anos e foi acelerado pelo "genocídio dos cristãos". Sobre as diferenças de doutrina que conduziram ao Cisma do Oriente, em 1054 (que separou a Igreja em duas, a Apostólica Romana e a Apostólica Ortodoxa), foi criada uma comissão para obter soluções comuns. O papa defendeu que as igrejas católicas orientais "têm direito de existir", mas sustentou que "o uniatismo é uma palavra de outra época". Os uniatas são cristãos que celebram as missas pelo rito ortodoxo, mas que devem obediência ao Vaticano.

CUBA
HAVANA  Papa Francisco encontrou-se com o patriarca de Moscovo, Cirilo, em Cuba
Foto Alejandro Ernesto/EPA. Papa FRANCISCO,  e Patriarca CIRILO, de Moscovo
Patriarca russo (CIRILO) e papa FRANCISCO em encontro histórico Morte de cristãos no Médio Oriente cria posição comum. Por João Saramago "Somos irmãos, temos o mesmo batismo": foi com estas palavras que o papa Francisco iniciou o encontro histórico com o patriarca ortodoxo russo, Cirilo. A crise dos cristãos do Médio Oriente e temas como a família e a defesa da vida estão na base da reunião, à porta fechada, que durou duas horas, no aeroporto internacional José Martí, em Havana (Cuba). Os dois líderes religiosos abraçaram-se e cumprimentaram-se com três beijos, tal como impõe a tradição ortodoxa. O encontro finalizou com uma declaração comum entre a Igreja Católica (1,2 mil milhões de fiéis) e a Igreja Russa, que conta 150 milhões de fiéis, num total de 240 milhões de ortodoxos espalhados pelo Mundo. Francisco e Cirilo disseram que "os cristãos estão a ser completamente exterminados em alguns países do Médio Oriente e Norte de África" e apelaram à ajuda humanitária. O Departamento de Relações Exteriores do Patriarcado de Moscovo adiantou que o encontro estava em preparação há mais de 20 anos e foi acelerado pelo "genocídio dos cristãos". Sobre as diferenças de doutrina que conduziram ao Cisma do Oriente, em 1054 (que separou a Igreja em duas, a Apostólica Romana e a Apostólica Ortodoxa), foi criada uma comissão para obter soluções comuns. O papa defendeu que as igrejas católicas orientais "têm direito de existir", mas sustentou que "o uniatismo é uma palavra de outra época". Os uniatas são cristãos que celebram as missas pelo rito ortodoxo, mas que devem obediência ao Vaticano.

Mensagens populares deste blogue

SÍRIA Coligação internacional bombardeia barco e mata mulher e filhos

EGIPTO Nova explosão no Egito às portas de outra igreja

FÁTIMA Centenário das Aparições – Papa Francisco presidirá à canonização de Francisco e Jacinta Marto