QUARESMA FATIMA: mensagem do Superior Geral (09 de Fevereiro de 2016)

QUARESMA
FATIMA: mensagem do Superior Geral (09 de Fevereiro de 2016)

Caros companheiros
Amanhã é Quarta-feira de Cinzas e entramos, uma vez mais, na Quaresma. Permiti que partilhe convosco algumas palavras de reflexão sobre este tempo que nos guia, ao longo desta peregrinação que é mistério e que espelha toda a nossa vida de seres humanos, cristãos e consagrados. Cinco Domingos que representam etapas nessa caminhada e que se espelham na nossa missão de membros da SMBN.
O tema do Primeiro Domingo da Quaresma é “a tentação”: «Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão e foi levado pelo Espírito ao deserto» (Lucas 4,1). O deserto é palco de lutas e de angústias, mas também de encontro com Deus. Nunca esqueçamos esta dimensão, pois é manancial da nossa esperança. As “tentações” do poder, da ganância, da arrogância e do egoísmo podem pairar sobre nós como nuvem negra, grassando a nossa existência e corroendo-nos as entranhas. No entanto, Deus faz uso até das nossas fraquezas e do nosso pecado para nos amparar e nos dar a mão. É esta a nossa esperança, que é certeza alicerçada na fé, mesmo que a dúvida nos faça estremecer.
O Segundo Domingo da Quaresma apresenta uma outra tentação: a do derrotismo ou da falta de coragem. Com o nascimento, fomos colocados neste caminho e não podemos voltar para trás. O nosso titubear pela vida inclui marchas por escarpas e penedos, assim como por vales verdejantes e ao longo de rios de águas cristalinas. Há dias de sol e dias de chuva; horas de entusiasmo fogoso e horas de cansaço pesaroso. E há, igualmente, aqueles momentos em que, contentes com a situação que saboreamos, ali queremos permanecer e construir a nossa tenda, tal como Pedro. Tal tentação, ao lado de poder representar uma tentativa de fuga, tolhe-nos, rouba-nos a capacidade de sermos destemidos e apaga em nós o sonho de rasgarmos novos horizontes e de sermos agentes de transformação. Não podemos esquecer que, quando apontamos para a lua, não olhamos para o dedo que aponta, mas sim para a lua. Se nos concentrarmos, egoisticamente, no dedo que aponta, não veremos a maravilha da lua-cheia, nem sequer as flores que essa luz alumia.
Já é lugar-comum dizer-se que necessitamos de conversão. De facto, quem não necessita dela? É algo que deve estar presente no nosso dia-a-dia e aparece-nos no Terceiro Domingo da Quaresma. Somos convidados a darmos flores e frutos. A figueira é a única árvore que dá fruto sem flor (poderá dizer-se que a flor está dentro do fruto). Teremos nós a flor no nosso interior, mesmo que invisível?
O tema do «Domingo da Alegria» espraia-se ao longo de uma parábola muito conhecida. A misericórdia de Deus aparece realçada: um amor que é sempre excessivo, quase irracional. Somos convidados a dar o perdão a quem o aceita e a oferecê-lo a quem o não quer aceitar. O que nos diz o pai misericordioso é que por muito penoso que seja o nosso pecado, por muito aguda que seja a nossa dúvida e muito renhida que seja a nossa luta, Deus não nos abandona porque Ele acredita em nós. Sim, Deus crê em nós; quanto cremos nós n’Ele? Em que estado se encontra a nossa confiança? O cristianismo é aquela aventura de cujo sentido total não nos apercebemos. Por muito grande que seja o nosso pecado, Deus acolhe-nos, sempre que o desejemos.
«Quem de entre vós estiver sem pecado atire a primeira pedra» (Jo 8,7). Estas palavras do Evangelho do Quinto Domingo da Quaresma (C) são-nos dirigidas a todos nós. Quem de entre nós não estará disposto a atirar pedras ao outro, esquecido dos próprios telhados de vidro? Tenhamos consciência de que apenas o amor e a misericórdia geram vida e fazem nascer o homem novo.
O Ano Santo da Misericórdia ajuda-nos a reflectirmos sobre o nosso comportamento ao longo desta Quaresma que começa. Será importante que nos lancemos para a frente, olhos fitos no horizonte da Ressurreição – que terá, forçosamente, de passar pela Paixão – cheios de esperança, sempre conscientes de que não estamos sós, pois esta obra não é nossa.
Votos de uma Quaresma verdadeiramente interiorizada e repleta de sinais misericordiosos de salvação.
A cada um, o meu abraço fraterno
P. Adelino Ascenso
Superior Geral


Mensagens populares deste blogue

FÁTIMA Centenário das Aparições – Papa Francisco presidirá à canonização de Francisco e Jacinta Marto

EGIPTO Nova explosão no Egito às portas de outra igreja

SÍRIA Coligação internacional bombardeia barco e mata mulher e filhos