VATICANO Jubileu: Sem-abrigo de Portugal encontram-se com a «dignidade de vida» por ARMANDO SOARES

VATICANO
Jubileu: Sem-abrigo de Portugal encontram-se com a «dignidade de vida» por ARMANDO SOARES
 Portugueses no Jubileu das Pessoas Socialmente Marginalizadas

No dia 12 de novembro 2016 realizou-se, no Vaticano,  o “Jubileu das Pessoas Socialmente Marginalizadas”. A delegação portuguesa que participou neste último encontro do Ano da Misericórdia fala dele como uma «experiência inesquecível. O presidente da Cáritas Portuguesa disse à Agência ECCLESIA que a delegação de Portugal no ‘Jubileu das Pessoas Socialmente Marginalizadas’, viveu uma “experiência inesquecível” de encontro com a “dignidade de vida”.
Eugénio Fonseca referiu os “comentários inesperados” dos participantes de Portugal que mostram a “surpresa” pela experiência que foi vivida por homens e mulheres que estão em “situação de desfavorecimento” e que “nunca esperavam que fosse possível”.
“Está a ser uma possibilidade de valorizar a autoestima destas pessoas”, disse o presidente da Cáritas Portuguesa que foi a Roma com uma delegação de 178 pessoas, sem-abrigo e técnicos de Cáritas Diocesanas, Comunidade Vida e Paz e Misericórdia de Lisboa, que os acompanham. “Fomos tratados com uma dignidade que eles próprios reconhecem e não houve qualquer diferenciação nas condições de viagem, estadia, acesso aos lugares onde têm decorrido os encontros”, referiu Eugénio Fonseca.
‘Jubileu das Pessoas Socialmente Marginalizadas’ teve início na  sexta-feira, antes do dia 12, com catequeses e um encontro com o Papa Francisco, na Aula Paulo VI, no Vaticano, e terminou  no  domingo, com a celebração da Eucaristia.
“Como o Papa disse na catequese que dirigiu aos cerca de seis mil participantes, o que para os ricos é já uma banalidade, para muitas destas pessoas foi uma riqueza vivencial”, lembrou Eugénio Fonseca.
O presidente da Cáritas disse que o encontro com o Papa foi para muitos sem-abrigo um encontro com uma pessoa que é “uma referência salvadora”.“A sede de procura de alguém que eles sabem, pelas palavras ditas, mas também pelas práticas vividas, que é alguém que está do lado deles, fê-las não olhar a obstáculos, saltar por cima de cadeiras só para ter a possibilidade de tocarem na pessoa que para eles é uma referência salvadora”, referiu. Eugénio Fonseca lembrou a mensagem de Francisco e o desafio que colocou à sociedade de “pedir perdão” por não “ter sabido desempenhar o seu papel” diante de pessoas socialmente marginalizadas.
O presidente da Cáritas recordou o muito que se faz e também o “muito que ainda há por fazer em favor das causas destas pessoas”.
No sábado, a delegação de Portugal participou num encontro para todo o grupo, na igreja de São Luís dos Franceses, onde, após momentos de partilha, foi celebrada uma Eucaristia presidida por D. Carlos Azevedo, do Conselho Pontifício para a Cultura, que se recordou o compromisso de Alfredo Bruto da Costa, falecido esta sexta-feira, a favor dos mais pobres.

O encontro com os sem-abrigo e outras pessoas socialmente marginalizadas foi a última grande iniciativa que decorreu em Roma no âmbito do Ano Jubilar Extraordinário, que terminou  no domingo, 20 de novembro.  PR in VM jan 2017

Mensagens populares deste blogue

FÁTIMA Centenário das Aparições – Papa Francisco presidirá à canonização de Francisco e Jacinta Marto

EGIPTO Nova explosão no Egito às portas de outra igreja

SÍRIA Coligação internacional bombardeia barco e mata mulher e filhos