SMBN Brasil Chapadinha - Oficialização da nova Paróquia de CRISTO-REI por CASIMIRO DOS ANJOS

SMBN
BRASIL   Momento histórico de Chapadinha - Oficialização da nova Paróquia de CRISTO-REI por CASIMIRO DOS ANJOS

Este domingo, dia 03 de Julho de 2016, foi um dia histórico para Chapadinha, com a oficialização da nova Paróquia de CRISTO-REI, pelo bispo diocesano Dom José Valdeci Santos Mendes, confiando-a ao primeiro administrador paroquial P. Joel Teixeira Araújo.
Chapadinha, que contava  com a única  Paróquia de NªSª das Dores, será agora a primeira cidade no Baixo Parnaíba e na diocese de Brejo a contar com duas Paróquias: Paróquia de NªSª das Dores, no Centro histórico, e Paróquia de Cristo-Rei, com sede no Bairro do Areal, tradicionalmente chamado Bairro de São Camilo do Areal.
O Padre Joel Teixeira Araújo é natural de São Bernardo (Ma), onde foi ordenado sacerdote no dia 26 de Setembro de 2015. Tem exercido o sacerdócio na Paróquia de Barreirinhas como vigário paroquial, e é encarregado da Pastoral vocacional na diocese. Filho de José Ribamar Santos Araújo e de Maria de Jesus Teixeira Martins. Nascido no dia 18.04.1987. Parabenizamos o Padre Joel pelo novo cargo que hoje está assumindo perante o bispo diocesano e perante a nova Paróquia de Cristo-Rei.

Um pouco da história de Chapadinha-MA:   
No Bairro da Aldeia localizado aproximadamente uns 500 metros do centro da cidade ali nasceu Chapadinha, com a fixação em 1783 de uma população dos índios  Anapurus da Tribu Tupi, que habitavam terras do Baixo Parnaíba, localizadas na estrada entre o porto da Manga, actual Nina Rodrigues e a Vila de Brejo (actual cidade de Brejo), caminho natural das boiadas que demandavam Caxias e Piauí. O povoado depressa cresceu e atraiu comerciantes e outras famílias. Em face da topografia plana e da cor das mulheres que habitavam o local, o povoado recebeu a denominação de Chapada das Mulatas.
Célebre ficou também pela guerra dos BALAIOS, ou balaiada, que recebeu o nome por conta do guerreiro Manoel Francisco dos Anjos Ferreira, fabricante de balaios, um dos componentes do grupo que em 1838 invadiram a cadeia da vila de Manga, comandados pelo chefe Raimundo Gomes Vieira Jutaí, líder da revolução, para soltar o seu irmão e todos os presos que ali estavam
Tendo-se dirigido para Chapadinha, os Balaios fizeram um acampamento no povoado Angicos, e lá se defrontaram com as tropas vindas de Brejo, que juntamente com as forças locais de Chapadinha foram por eles derrotadas, tendo morrido o capitão Pedro Alexandrino de Andrade e o tenente coronel João José Alves, em 18 de Abril de 1839. A revolta da Balaiada só chegou a ser vencida quando o regente Pedro de Araújo Lima (Marquês de Olinda) mandou o coronel Luís Alves e Silva, em 17 de fevereiro de 1840 como presidente e comandante de armas, guerra que durou todo o ano de 1840 a 1841, derrota confirmada em 19 de Janeiro de 1841. Esta vitória rendeu ao mesmo a promoção de General e o título de Barão de Caxias.
De Vila a Cidade 
Em 1870 o povoado já tinha uma Sub-Delegacia da polícia, um distrito de paz, um batalhão de Guarda Nacional, um comissário Vacinador, uma Escola de primeiras letras, e dispunha de uma Capela coberta de telha, embora as casas na maioria fossem cobertas só de palha, e com uma população de cerca de seis mil habitantes.
Em 1890, através do decreto de lei Estadual nº36 de 17 de outubro o povoado de Chapadinha foi elevado à categoria de Vila, desmembrando uma área de 3.279,3 kms/2 dos municípios de Brejo e Vargem Grande. Foi nomeado um primeiro juiz, o sr. Sebastião de Sousa Barbosa e o primeiro intendente(prefeito) o sr. Bento Gomes de Almeida, a primeira professora Sra Eliza Barbosa Carvalho, e cinco casas de negócios. Finalmente, pelo decreto-Lei nº45 de 29 de Março de 1938, assinado pelo senhor Boanerges Neto Ribeiro, Secretário geral do governo do Estado do Maranhão, Chapadinha foi elevada à categoria de cidade.
A primeira igreja 
A 1ª Igreja de Chapadinha foi dedicada a NªSª da Conceição. Porém, a família Ferreira fez doação de um terreno com uma légua de raio a Nossa Senhora das Dores. A capelinha ficava situada no local da velha Caixa d’água e foi demolida em 1870. Em razão do seu crescimento, Chapadinha foi motivo de uma Provisão Régia, em 25 de Setembro de 1802, que a transformou em freguesia de NªSª das Dores. 
Finalmente, dom Luís de Brito Homem, o 13º Bispo do Maranhão homologou a criação da Paróquia de Nossa Senhora das Dores, a 02 de Março de 1805, no mesmo ano em que foram homologadas pelo mesmo bispo as Paróquias de Itapecuru Mirim, Turiaçú, Parnaíba(Pi), Amarante e Jaicós. (História Eclesiástica do Maranhão, por D.Filipe Condurú, pg. 107). Foi construído um novo templo, em 1950 pelo P. Máximo Martins Ferreira, e mais tarde, já ficando pequeno, o actual templo pelo Padre Walter de Castro Abreu, em 1965.
A actual igreja Matriz de NªSª das Dores foi reformada com a construção da torre, colunas e vigas de cimento e  forrada, pelo P.Manuel dos Santos Neves, em 1980.

Missionários da SMBN que passaram pela Paróquia de NªSª das Dores:

P. Manuel Neves, P. Casimiro dos Anjos João. Também por aqui passaram  como vigários cooperadores: PP. Américo de Oliveira, Manuel  Bastos, António Tavares, Justino, Kaquinda Dias e Pedro Correia.

Mensagens populares deste blogue

EGIPTO Nova explosão no Egito às portas de outra igreja

SÍRIA Coligação internacional bombardeia barco e mata mulher e filhos

FÁTIMA Centenário das Aparições – Papa Francisco presidirá à canonização de Francisco e Jacinta Marto