MISSÃO Missionários da misericórdia por A. FARIAS

MISSÃO
Missionários da misericórdia por A. FARIAS
ANGOLA. P. Aníbal e P. Farias

O ano da Misericórdia está no fim da sua celebração, mas a misericórdia não termina. Foi uma experiência do amor infinito de Deus que se manifestou a todos nós e que deve ter provocado um desejo profundo de o tornar presente na vida de cada dia na nossa relação com Ele, com os homens e também com toda a criação.
Todos nós somos chamados a tornar-nos o rosto da Misericórdia divina, como Jesus o foi do Pai. Mas para isso é necessário ter feito a experiência da Misericórdia de Deus nas nossas vidas. Só quem fez essa experiência pode agora tornar-se sua testemunha.
Esta é a vocação comum a todos os cristãos. Mas há quem tenha sentido um chamamento especial para a visibilizar de uma maneira particular junto daqueles que nunca fizeram a experiência do amor de Deus e até do amor humano. Uns fazem-no junto de outros povos e culturas. São os missionários que partem para aí serem sinais visíveis dessa misericórdia divina tornada presente de múltiplas formas. Outros e outras fazem-no muitas vezes às portas da sua casa ou nas periferias humanas e sociais onde o amor ainda não chegou.
Todos nós que fazemos parte da família Boa Nova, cada qual na situação em que a vida nos colocou, devíamos sentir-nos todos chamados a ser Missionários da Misericórdia porquanto comprometidos com a tarefa confiada por Jesus à sua Igreja. E podemos sê-lo de muitas formas: quando distribuímos calendários e almanaques, quando visitamos doentes e idosos, quando damos catequese… todas as vezes que estamos com os nossos irmãos mais fragilizados e temos um gesto, uma palavra, um sorriso, um pequeno serviço cheio de amor… estamos a ser missionários da misericórdia. Somos chamados a ser transparência de Deus e da sua misericórdia sempre que na vida nos damos conta de que alguém está carente de qualquer gesto ou atitude para ser mais feliz. Para tal é necessário ter um coração aberto que seja capaz de adivinhar a necessidade do irmão.

Esta forma de ser cristão é fruto duma grande experiência de Deus e dum exercício de entrega e doação. Quanto mais nos damos aos outros, mais capacidade temos de perceber essas necessidades. É através desses sinais e gestos que o Senhor se vai tornando presente no meio dos mais carenciados. Graças a Deus temos muitos companheiros/as que são verdadeiros missionários da misericórdia. Que eles sejam para nós um verdadeiro estímulo para que possamos dar continuidade ao que este ano da misericórdia quis despertar em todos nós.

Mensagens populares deste blogue

SÍRIA Coligação internacional bombardeia barco e mata mulher e filhos

EGIPTO Nova explosão no Egito às portas de outra igreja

FÁTIMA Centenário das Aparições – Papa Francisco presidirá à canonização de Francisco e Jacinta Marto