FÁTIMA 2017 Papa propõe revolução de «ternura», com olhar de misericórdia

FÁTIMA 2017
Papa propõe revolução de «ternura», com olhar de misericórdia
 12 de Maio de 2017, às 2

Fátima, 12 mai 2017 (Ecclesia) – O Papa Francisco defendeu hoje em Fátima uma “revolução” centrada na misericórdia e no perdão, falando durante a celebração da bênção das velas, na Capelinha das Aparições.
Foto: Lusa                                              
“Possamos, com Maria, ser sinal e sacramento de misericórdia de Deus, que perdoa sempre, perdoa tudo”, disse às centenas de milhares de pessoas reunidas na Cova da Iria.
Na segunda intervenção da sua viagem a Portugal, iniciada esta tarde, Francisco retomou uma passagem da sua exortação apostólica ‘A Alegria do Evangelho’ para pedir aos peregrinos que acreditem “na força revolucionária da ternura e do carinho”.
“Nela [Virgem Maria] vemos que a humildade e a ternura não são virtudes dos fracos, mas dos fortes, que não precisam de maltratar os outros para se sentirem importantes”, precisou.
Francisco voltou a percorrer o recinto em papamóvel, sendo saudado por milhares de bandeiras e estandartes de peregrinos de vários países.
O Papa ficou em silêncio, junto da imagem, antes de acender uma vela, tal como a multidão reunida em Fátima.
A intervenção, em português, usou um tom muito pessoal, com o Papa a rezar na primeira pessoa.
“A misericórdia, que usastes para com todos os vossos santos e com todo o vosso povo fiel, também chegou a mim. Pelo orgulho do meu coração, vivi distraído atrás das minhas ambições e interesses, mas não ocupei nenhum trono, Senhor!”, disse.
“A única possibilidade de exaltação que tenho é que a Vossa Mãe me pegue ao colo, me cubra com o seu manto e me ponha junto do Vosso coração”, acrescentou.
O Papa apresentou uma reflexão sobre os temas da justiça e da misericórdia, considerando que é necessário valorizar mais a misericórdia divina no discurso católico.
“Devemos antepor a misericórdia ao julgamento e em todo o caso o julgamento de Deus será sempre feito à luz da sua misericórdia”, sustentou.
A intervenção deixou um apelo direto aos peregrinos reunidos para as celebrações do 13 de maio, no centenário das aparições de Fátima: “Na fé que nos une a Jesus Cristo, ficamos livres dos nossos pecados; ponhamos de lado qualquer forma de medo e de temor, porque não se coaduna em que é amado”.
Após a oração do terço, introduzida pelo Papa, Francisco segue para a Casa de Nossa do Carmo, onde fica hospedado em Portugal, até este sábado.
Na Cova da Iria, os fiéis prosseguem com a procissão de velas e a Missa presidida pelo cardeal Pietro Parolin, secretário de Estado do Vaticano.
OC


Mensagens populares deste blogue

EGIPTO Nova explosão no Egito às portas de outra igreja

SÍRIA Coligação internacional bombardeia barco e mata mulher e filhos

FÁTIMA Centenário das Aparições – Papa Francisco presidirá à canonização de Francisco e Jacinta Marto