ÍNDIA Perseguição religiosa / étnica

ÍNDIA
Perseguição religiosa / étnica
(Foto por IANS) Saji Thomas, Bhopal,   Índia


Os líderes cristãos acusaram o partido do primeiro-ministro Narendra Modi, que lidera o governo federal pró-hindu de pôr em perigo os interesses dos desprotegidos, incluindo Dalits, tribais e não-hindus. Os líderes da Igreja Católica no estado indiano central de Chhattisgarh criticaram as novas diretrizes sobre o fornecimento de serviços de esterilização a grupos tribais tradicionais e estão a pressionar as autoridades para reconsiderar esta decisão. "Os novos regulamentos parecem ser desastrosos" para grupos tribais empobrecidos, disse o padre Sebastian Poomattam, porta-voz dos bispos católicos em Chhattisgarh, pátria de vários grupos tribais.
"Para esses grupos que já enfrentam uma séria ameaças à sua existência, esta nova lei pode ameaçar ainda mais sua sobrevivência", disse ele à ucanews.com no dia 11 de junho.
O partido pro-hindu BJP relaxou uma lei estadual de 1979, facilitando o acesso a provisões públicas para esterilização entre cinco tribos tradicionais do estado.
A lei foi aprovada quase quatro décadas atrás, no momento em que o governo federal usava esterilizações forçadas para controlar a população. Restringiu a esterilização entre pessoas tribais cuja pobreza e saúde causando baixas taxas de natalidade. 
A recente alteração atenuou essas regras. Um oficial do governo pode certificar a esterilização se a mãe tribal simplesmente reconheceu que eles entenderam as conseqüências.
R. Prasanna, director de serviços de saúde do estado, justificou a decisão do governo dizendo que segue um pedido de pessoas tribais preocupadas com a saúde das mães gravidas.
Uma recomendação da comissão federal de planejamento disse que impedir as opções de esterilização para essas pessoas tribais não foi justificada.
Comentando o impacto da decisão sobre o tamanho das populações tribais, Prasanna disse que "depende delas". O governo não está "forçando a esterilização" em pessoas tribais. Eles só podem ter acesso ao serviço a seu pedido e, uma vez que eles entenderam seus efeitos, disse à ucanews.com.
No entanto, o padre Poomattam disse que, se o governo fosse sério em melhorar a saúde das mães e a situação social das pessoas tribais,  proporcionariam melhores recursos e comodidades médicas.
O padre Poomattam disse que os bispos do estado estão convidando o governo a rever as emendas que tornaram a esterilização mais fácil entre os povos tribais atingidos pela pobreza.
Arun Pannalal, presidente do Chhattisgarh Christian Forum, disse que o governo deveria proporcionar às pessoas tribais melhores cuidados de saúde e educá-las para melhorar suas condições de vida. Por meio da esterilização, no entanto, "qualquer um pode explorar a nova política para eliminá-los gradualmente", disse ele.
O BJP governante é considerado o braço político dos grupos que querem estabelecer a hegemonia hindu na Índia.
Pannalal e outros líderes cristãos acusaram o BJP de promover políticas que põem em perigo os interesses dos marginalizados, incluindo Dalits, tribos e não-hindus.
O padre Thomas Kollikolavil, que anteriormente trabalhou como director de trabalho social para a diocese de Jagdalpur no estado, disse que as pessoas tribais vivem principalmente em aldeias de florestas interiores, e exigem considerações especiais.
"Ninguém pode esperar que eles estejam cientes das implicações da esterilização", disse o padre.
Um relatório de 2008 do Instituto de Pesquisa Tribal do Estado de Chhattisgarh disse que o estado é o lar de cinco tribos ameaçadas de extinção - Abujhmaria, Baiga, Birhor, Pahari Korwa e Kamar, que, em conjunto, têm menos de 150 mil pessoas, algumas com menos de 3.000 pessoas.

Chhattisgarh é o estado mais densamente hindu da Índia, com 98,3 por cento dos seus 23 milhões de pessoas sendo hindus. Os muçulmanos representam 1 por cento, os cristãos, principalmente pessoas tribais, representam 0,7 por cento. in VOZ DA MISSÃO julho-agosto 2017

Mensagens populares deste blogue

FÁTIMA Centenário das Aparições – Papa Francisco presidirá à canonização de Francisco e Jacinta Marto

EGIPTO Nova explosão no Egito às portas de outra igreja

SÍRIA Coligação internacional bombardeia barco e mata mulher e filhos