PORTUGAL Fuga de material bélico



PORTUGAL
Fuga de material bélico
 “Há que apurar o que aconteceu e ir até às últimas responsabilidades”, diz presidente da Associação de Oficiais das Forças Armadas
O presidente da AOFA salientou sobre o furto de material militar da base de Tancos que "situações como esta não podem de forma nenhuma acontecer" mas defendeu que não representa um perigo para a sociedade.
O presidente da Associação de Oficiais das Forças Armadas (AOFA), António Mota, considera que não existem motivos para aumentar o nível de segurança em Portugal em resultado do furto de material roubado da base militar de Tancos, ainda que seja necessário apurar responsabilidades.
“Há que apurar o que aconteceu e ir até às últimas responsabilidades. E se houver pessoal militar que tenha responsabilidade direta, por incúria, por ação ou omissão, naturalmente que deve ser punido e para nós, AOFA, isto é claro. Mas também há responsabilidades de âmbito político”, disse António Mota em entrevista ao Vozes ao Minuto.
O presidente da AOFA salientou que “situações como esta não podem de forma nenhuma acontecer” mas defendeu que o furto não representa um perigo para a sociedade, uma vez que “não faz sentido aumentar o nível de segurança”.
“O material militar tem, como qualquer produto, um prazo de validade. É como os iogurtes: deve consumi-los de preferência até, mas se os comer uns dias depois não vão fazer mal”, disse Mota na entrevista, acrescentando que “com o material militar é a mesma coisa. Enquanto está na validade absoluta está completamente operacional, quando já não está continuamos a utilizá-lo nos nossos treinos porque continua a rebentar e a disparar tiros”.


Mensagens populares deste blogue

FÁTIMA Centenário das Aparições – Papa Francisco presidirá à canonização de Francisco e Jacinta Marto

EGIPTO Nova explosão no Egito às portas de outra igreja

SÍRIA Coligação internacional bombardeia barco e mata mulher e filhos