PENA DE MORTE Bruxelas: Nenhum país com pena de morte poderá ser membro da UE

PENA DE MORTE
Bruxelas: Nenhum país com pena de morte poderá ser membro da UE
A chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Federica Mogherini, avisou hoje, em Bruxelas, que nenhum país se tornará membro do espaço comunitário, se introduzir a pena de morte.
MUNDO TURQUIA18.07.2016 POR LUSA

"Vou ser muito clara, nenhum país se tornará um estado-membro da UE se introduzir a pena de morte. É muito claro. É um ponto-chave", afirmou a comissária, em resposta a uma questão, em conferência de imprensa, sobre eventuais impactos nas negociações de uma eventual reposição da pena de morte na Turquia.

O aviso de Mogherini surgiu depois de o Presidente turco, Recep Erdogan, ter colocado a hipótese de repor a pena de morte no país, na sequência de uma falhada tentativa de golpe de Estado e como forma de punir os envolvidos nos acontecimentos de sexta-feira.
Ao lado do secretário de Estado norte-americano, John Kerry, Federica Mogherini lembrou que a Turquia é membro do Conselho da Europa, que, por seu lado, assenta na convenção dos Direitos Humanos que recusa a pena de morte.
A responsável indicou também a necessidade de as "legítimas instituições turcas sejam protegidas", referindo que a ordem constitucional e o Estado de direito terão de continuar a ser observados, assim como a necessidade de serem respeitados os direitos humanos e as liberdades fundamentais.
"Uma tentativa de golpe de Estado não é desculpa", avisou a italiana, garantindo que a UE será "extremamente vigilante", não só "pelo bem da Europa, mas pelo bem também da Turquia e dos turcos".
Em Bruxelas, onde participou num pequeno-almoço de trabalho com os seus homólogos dos 28, Kerry afirmou, por seu lado, que a NATO também acompanha, de forma muito próxima, a situação na Turquia.
"Como já foi dito, o nível de vigilância e de escrutínio vai ser muito alto", rematou.
Os dois responsáveis notaram a proximidade e importância das relações entre os EUA e a UE, que se traduz, nomeadamente na cooperação contra o terrorismo e nos apoios à Síria, Líbia e Ucrânia.
Kerry manifestou a sua satisfação por ser o primeiro governante norte-americano a participar num Conselho de Ministros dos Negócios Estrangeiros da UE e lançou o desafio de estas reuniões decorrerem regularmente.
"Mas isso é uma decisão dos nossos amigos europeus", indicou Kerry, ao que a sua homóloga europeia respondeu, prontamente, "acordado".
Antes de cumprirem um minuto de silêncio em memória das vítimas do atentado de quinta-feira em Nice, França, Kerry afirmou ainda a união entre europeus e norte-americanos no "lamento da dor".
"França é um dos fundadores da UE e um dos nossos mais antigos aliados. Este ato de selvajaria só fortalece os esforços para combater as forças terroristas", garantiu.
O norte-americano aproveitou ainda para repetir a posição britânica, à luz do resultado de referendo de 23 de junho, de se manter como "parceiro forte e vital" mesmo depois da sua saída do espaço comunitário.
O novo ministro dos Negócios Estrangeiros britânico e um dos principais defensores do denominado Brexit, Boris Johnson, estreia-se hoje numa reunião dos 28.
Portugal está representado pela secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares, Margarida Marques.  NM


Mensagens populares deste blogue

EGIPTO Nova explosão no Egito às portas de outra igreja

SÍRIA Coligação internacional bombardeia barco e mata mulher e filhos

FÁTIMA Centenário das Aparições – Papa Francisco presidirá à canonização de Francisco e Jacinta Marto