SÍRIA Religiosa denuncia cenário «devastador» em Alepo

SÍRIA
Religiosa denuncia cenário «devastador» em Alepo
Alepo era a segunda cidade mais cosmopolita da Síria, antes da guerra que dura há cinco anos e opõe forças rebeldes ao regime do presidente sírio, Bashar-al Assad. Para quem vive hoje na cidade síria de Alepo, a morte e a insegurança marcam o dia-a-dia das pessoas. A irmã Annie Demerjian, religiosa da comunidade das Irmãs de Jesus e Maria fez um retrato “devastador” de Alepo, na Síria, numa mensagem enviada à Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS).
“Uma senhora contou-me que, de manhã, despede-se da sua família porque não sabe se voltarão a encontrar-se. Ao sair à rua vivemos com o constante medo das bombas”, relatou.
Na comunicação enviada à AIS, a religiosa conta que as pessoas “vivem sem água durante vários meses e sem eletricidade”, havendo ocasiões em que, por exemplo, a eletricidade é um bem que “dura apenas uma ou duas horas”.
“Os nossos filhos saem para a escola e nós não sabemos se irão regressar” é uma frase que faz parte dos relatos que as religiosas das Irmãs de Jesus e Maria ouvem dos habitantes.
Segundo a irmã Annie Demerjian o quotidiano de uma guerra que parece interminável, numa cidade em ruínas, “é muito cansativa” e as palavras de desânimo surgem quando o cessar-fogo não é respeitado.
“Houve muitos combates, muitos estragos, muitos mortos. Isso deixa-nos tristes”, lamenta.
À fundação pontifícia, a religiosa relatou que muitas pessoas partiram de Alepo “sem saber que distâncias terão de percorrer” e deixaram a sua história, a sua segurança, a sua casa, porque “querem encontrar um local seguro”.
Sublinhando a “importância – cada vez maior – das orações pela paz”, agradeceu o apoio da AIS e assinala que “só Deus pode mudar a mente e o coração das pessoas”.
“Gostaria de vos pedir que continuem a rezar pelo povo da Síria, para que tenha coragem para continuar a sobreviver nestas circunstâncias difíceis e dolorosas”, conclui a irmã Annie Demerjian.

Iniciada em 2011, a guerra civil na Síria já terá causado a morte a cerca de 470 mil pessoas, segundo dados do Centro Sírio para Pesquisa Política, a que se somam milhões de feridos, deslocados e refugiados, para além de elevados danos materiais.  HA  in VM julho-agosto 2016

Mensagens populares deste blogue

EGIPTO Nova explosão no Egito às portas de outra igreja

FÁTIMA Centenário das Aparições – Papa Francisco presidirá à canonização de Francisco e Jacinta Marto

SÍRIA Coligação internacional bombardeia barco e mata mulher e filhos