TEMPO de poesia Grão de trigo IR. LUIS – Nampula

TEMPO de poesia
Grão de trigo                 IR. LUIS – Nampula

Vi-te tão desfigurado
Foste morto pela guerra
Teu sangue foi derramado
Como tantos nesta terra.

És semente semeada
Não te quero mais chorar.
A semente é germinada
Na tua  "vida" a "falar"

Teu nome é P. Alírio
Não é fácil de esquecer
Ao celebrar teu martírio
De morrer para viver

A semente que tu és,
Grão de trigo semeado
Que no rasto dos teus pés,
Com o teu sangue regado,

São convite e desafio
A todo aquele instalado.
Ou ao que  treme de frio
No seu "lago" congelado

Sem nenhum entusiasmo.
Nem motivos de  VIVER.
Para quê morrer de pasmo

No teu tempo de crescer?

Mensagens populares deste blogue

FÁTIMA Centenário das Aparições – Papa Francisco presidirá à canonização de Francisco e Jacinta Marto

SÍRIA Coligação internacional bombardeia barco e mata mulher e filhos

EGIPTO Nova explosão no Egito às portas de outra igreja