BRASIL Cardeal-emérito D. Paulo Evaristo Arns

BRASIL
Cardeal-emérito D. Paulo Evaristo Arns
Era arcebispo-emérito de São Paulo 
e membro do Colégio Cardinalício.
Seus pais eram de origem alemã. Depois ingressou no seminário dos franciscanos.
Em 1940, entrou no noviciado. A Filosofia, cursou-a em Curitiba; e a Teologiaem Petrópolis.
Três de suas irmãs são freiras, e um irmão faz parte da Ordem dos Frades Menores
Foi ordenado presbítero no dia 30 de novembro de 1945, em Petrópolis.
Por cerca de uma década exerceu seu ministério, assistindo a população desfavorecida de Petrópolis, onde também leccionou  
no Teologado Franciscano de Petrópolis e na
Universidade Católica de Petrópolis. Depois disto, foi para a França para cursar letras na Sorbonne, onde se doutorou em 1952. Voltando ao Brasil, foi
professor nas faculdades de Filosofia, Ciências e Letras de Agudos e Bauru. A seguir, retornou a Petrópolis, onde voltou a dar assistência aos desfavorecidos
Em 2 de maio de 1966 foi eleito bispo titular de Respecta e auxiliar de São Paulo, aos 44 anos. Recebeu a ordenação episcopal em 3 de julho de 1966.
No dia 22 de outubro de 1970, o Papa Paulo VI nomeou-o arcebispo metropolitano de São Paulo, tendo tomado posse a 1 de novembro de 1970, exercendo o cargo até 15 de abril de 1998, quando renunciou, por limite de idade, detendo o título de Arcebispo-emérito de São Paulo.
No Consistório do dia 5 de março de 1973, convocado pelo Papa Paulo VI, na Basílica
de São Pedro, Dom Paulo foi criado cardeal-presbítero. Como cardeal eleitor, participou dos dois conclaves, de agosto e de outubro de 1978. Participou ainda, como cardeal não-votante, dos conclaves de 2005 e de 2013.





Brasão do Cardeal Arns

lema: "EX SPE IN SPEM" (De Esperança em Esperança), traduz a certeza do cardeal de que em Deus esperou e não será confundido, numa referência ao Livro dos Salmos (Sl. 70,1), sendo uma expressão da total e confiante adesão a Cristo e do humilde abandono do cardeal nas mãos da Divina Providência




.
 Sua actuação pastoral foi voltada aos habitantes da periferia, aos trabalhadores, à formação de comunidades eclesiais de base nos bairros, principalmente os mais pobres, e à defesa e promoção dos direitos da pessoa humana.
Ficou conhecido como o Cardeal dos Direitos Humanos, principalmente por ter sido o
fundador e líder da Comissão  Justiça e Paz de São Paulo, e sua atividade política era
claramente vinculada à sua fé religiosa. Segundo ele: "Jesus não foi indiferente nem estranho ao problema da dignidade e dos direitos da pessoa humana, nem às necessidades dos mais fracos, dos mais necessitados e das vítimas da injustiça. Em todos os momentos Ele revelou uma solidariedade real com os mais pobres e miseráveis (Mt 11, 28-30; lutou contra a injustiça, a hipocrisia, os abusos
do poder, a avidez de ganho dos ricos, indiferentes aos sofrimentos dos pobres, apelando fortemente para a prestação de contas final, quando voltará na glória para julgar os vivos e os mortos." 
Enquanto bispo-auxiliar, trabalhou na Zona Norte paulistana, no bairro de SantanaDurante a ditadura militar, na década de 1970, notabilizou-se na luta pelo fim das torturas e restabelecimento da democracia no país, junto com o rabino Henry Sobel, criando uma ponte entre a comunidade judaica e a Igreja Católica em solo paulista. No mesmo período, também foi um dos escritores do livro "Brasil nunca mais" e integrou o movimento "Tortura nunca mais".
Renovou o plano pastoral da Arquidiocese de São Paulo, instituindo novas regiões episcopais (divisões da Arquidiocese de São Paulo) e quarenta e três novas paróquias.
Em 1972 criou a Comissão Brasileira de Justiça e Paz de São Paulo. Incentivou a Pastoral da Moradia e a Pastoral Operária.
Em 22 de maio de 1977 recebeu o título de "Doutor Honoris Causa" (juntamente com o presidente norte-americano Jimmy Carter) da Universidade de Notre
Entre 1979 e 1985, coordenou com o Pastor Jaime Wright, de forma clandestina, o projeto Brasil: Nunca Mais. Este projeto tinha como objetivo evitar o possível desaparecimento de documentos durante o processo de redemocratização do país. O trabalho foi realizado em sigilo e o resultado foi a cópia de mais de um milhão de páginas de processos do Superior Tribunal Militar (STM). Contudo, este material













Em 1985, com a ajuda de sua irmã, a pediatra Zilda Arns Neumann, implantou a Pastoral da Criança.
Em 1992, Dom Paulo criou o Vicariato Episcopal da Comunicação, com a finalidade de fazer a Igreja estar presente em todos os meios de comunicação. Em 22 de  
fevereiro de 1992inaugurou uma nova residência destinada aos padres idosos, a Casa
São Paulo, ano em que também criou a Pastoral dos Portadores de HIV. Em 1994 criou o Conselho Arquidiocesano de Leigos.
Em 1996, após completar 75 anos, apresentou renúncia ao Papa João Paulo II, em função das normas eclesiásticas, renúncia esta que foi aceite.. A partir de então, tornou-se arcebispo emérito de São Paulo e foi substituído por Dom Frei Cláudio Cardeal Hummes

Dom Paulo Evaristo Arns morreu, em 14 de Dezembro de 2016, aos 95 anos em São Paulo. Wiki 

(878)

Mensagens populares deste blogue

EGIPTO Nova explosão no Egito às portas de outra igreja

FÁTIMA Centenário das Aparições – Papa Francisco presidirá à canonização de Francisco e Jacinta Marto

SÍRIA Coligação internacional bombardeia barco e mata mulher e filhos