MISERICÓRDIA E MISÉRIA (1) 21.11 2016, às 12:13 carta apostólica «Misericordia et misera»

MISERICÓRDIA E MISÉRIA (1)
                 21 de Novembro de 2016, às 12:13
 Carta apostólica «Misericordia et misera»

No termo do Jubileu Extraordinário da Misericórdia, o  Papa Francisco publicou a carta a postólica «Misericordia et misera».
             Santo Agostinho utiliza duas palavras expressivas para descrever o encontro de Jesus com a mulher adúltera (Jo 8, 1-11). Elas fazem compreender bem que quando Jesus vem ao encontro do pecador ficam apenas: «a miséria e a misericórdia». Esta narração ilumina a conclusão do Jubileu Extraordinário da Misericórdia e indica o caminho que somos chamados a percorrer no futuro no pós-jubileu. A misericórdia deve ser celebrada e vivida nas nossas comunidades, porque ela torna visível e palpável a verdade profunda do Evangelho. Tudo se revela no amor misericordioso do Pai. No centro deste encontro não temos a lei e a justiça – a lapidação – mas o amor de Deus, que sabe ler no coração de cada pessoa. Aqui a miséria do pecado foi revestida pela misericórdia do amor. A quem pretendia condenar à morte a pecadora, Jesus responde com um longo silêncio, cujo intuito é deixar emergir a voz de Deus, tanto na consciência da mulher como na dos seus acusadores. Estes deixam cair as pedras das mãos e vão-se embora um a um (cf. Jo 8, 9). E, depois daquele silêncio,
             Jesus diz: «Mulher, onde estão eles? Ninguém te condenou? (...) Também Eu não te condeno. Vai e de agora em diante não tornes a pecar» (8, 10.11). Desta forma, ajuda-a a olhar para o futuro com esperança, pronta a recomeçar a sua vida. Depois que se revestiu da misericórdia, embora permaneça a condição de fraqueza por causa do pecado, tal condição é dominada pelo amor que permite olhar mais além e viver de maneira diferente.

             Um fariseu convidou Jesus para almoçar; aproximou-se d’Ele uma mulher conhecida por todos como pecadora ( Lc 7, 36-50). Esta unge com perfume os pés de Jesus, banha-os com as suas lágrimas e enxuga-os com os seus cabelos (cf. 7, 37-38). O fariseu fica escandalizado. E Jesus diz: «São perdoados os seus muitos pecados, porque muito amou (7, 47).»
             O perdão é o sinal mais visível do amor do Pai, que Jesus quis revelar em toda a sua vida. Jesus tem palavras de perdão: «Perdoa-lhes, Pai, porque não sabem o que fazem» (Lc 23, 34).
             Nada que um pecador arrependido coloque diante da misericórdia de Deus pode ficar sem o abraço do seu perdão. Nenhum de nós pode pôr condições à misericórdia; esta permanece sempre como um acto de gratuidade do Pai, um amor incondicional e não merecido.
             Deus é misericordioso (Ex 34, 6), a sua misericórdia é eterna (Sal 136/135), de geração em geração abraça cada pessoa que confia n’Ele e transforma-a, dando-lhe a sua própria vida.

             Quanta alegria brotou no coração destas duas mulheres: a adúltera e a pecadora!
             A misericórdia suscita alegria, porque o coração se abre à esperança duma vida nova. A alegria do perdão é indescritível, mas comunicativa.
             Como são significativas, também para nós, estas palavras que guiavam os primeiros cristãos: «Reveste-te de alegria, que é sempre agradável a Deus e por Ele bem acolhida. Todo o homem alegre trabalha bem, pensa bem e despreza a tristeza. (...) Viverão em Deus todas as pessoas que afastam a tristeza e se revestem de toda a alegria».[2] Experimentar a misericórdia dá alegria; não no-la deixemos roubar pelas várias aflições e preocupações.

             Numa cultura frequentemente dominada pela tecnologia, parecem multiplicar-se as formas de tristeza e solidão em que caem as pessoas, incluindo muitos jovens. É assim que muitas vezes surgem sentimentos de melancolia, tristeza e tédio, que podem, pouco a pouco, levar ao desespero. Há necessidade de testemunhas de esperança e de alegria verdadeira, para expulsar as quimeras que prometem uma felicidade fácil com paraísos artificiais. O vazio profundo de tanta gente pode ser preenchido pela esperança que trazemos no coração e pela alegria que brota dela. Há tanta necessidade de reconhecer a alegria que se revela no coração tocado pela misericórdia! Por isso guardemos como um tesouro estas palavras do Apóstolo: «Alegrai-vos sempre no Senhor!» (Flp 4, 4; 1 Ts 5, 16).

Mensagens populares deste blogue

FÁTIMA Centenário das Aparições – Papa Francisco presidirá à canonização de Francisco e Jacinta Marto

EGIPTO Nova explosão no Egito às portas de outra igreja

SÍRIA Coligação internacional bombardeia barco e mata mulher e filhos