MUNDO Refugiados centro-africanos deixam convento Texto F.P. | Foto AIS | 07/03/2017 | 17:37 Ao abrigo de um projeto do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, os 10 mil deslocados que se tinham refugiado num convento carmelita para fugir aos confrontos, já regressaram a casa PARTILHAR Os cerca de 10 mil refugiados que foram acolhidos em 2013 no convento Notre Dame du Mont Carmel, em Bangui, na República Centro-Africana (RCA), já regressaram às suas casas, com a ajuda de um projeto do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), apoiado pelo governo local. «Depois de três anos e três meses, termina aqui a nossa aventura iniciada em 5 de dezembro de 2013. Este é o último episódio da história de nosso mosteiro que se tornou provisoriamente num campo de refugiados. Todos os deslocados voltaram para casa», revelou à agência Fides o padre carmelita Federico Trinchero. Segundo o sacerdote, a partida era livre e ninguém era obrigado a abandonar o campo. No entanto, todos concordaram em partir, e fizeram-no “de forma rápida, serena e disciplinada”. Cada família recebeu um pequeno apoio financeiro para ajudar no transporte dos pertences, desmontar a tenda e deixar definitivamente o acampamento. Para Federico Trinchero, apesar da situação ter melhorado significativamente na capital da RCA, a insegurança mantém-se noutras regiões do país, como Bocaranga ou Bambari: «Infelizmente, há pequenos grupos de rebeldes, nem sempre bem identificados, que continuam a causar vítimas inocentes, a semear o medo e a forçar a população a deixar as aldeias».

MUNDO
Refugiados centro-africanos deixam convento
Texto F.P. | Foto AIS | 07/03/2017 | 17:37
Ao abrigo de um projeto do Alto Comissariado das Nações 
Unidas para os Refugiados, os 10 mil deslocados que se 
tinham refugiado num convento carmelita para fugir aos 
confrontos, já regressaram a casa

Os cerca de 10 mil refugiados que foram acolhidos em 2013 no convento Notre Dame du Mont Carmel, em Bangui, na República Centro-Africana (RCA), já regressaram às suas casas, com a ajuda de um projeto do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), apoiado pelo governo local. 
«Depois de três anos e três meses, termina aqui a nossa aventura iniciada em 5 de dezembro de 2013. Este é o último episódio da história de nosso mosteiro que se tornou provisoriamente num campo de refugiados. Todos os deslocados voltaram para casa», revelou à agência Fides o padre carmelita Federico Trinchero. 
Segundo o sacerdote, a partida era livre e ninguém era obrigado a abandonar o campo. No entanto, todos concordaram em partir, e fizeram-no “de forma rápida, serena e disciplinada”. Cada família recebeu um pequeno apoio financeiro para ajudar no transporte dos pertences, desmontar a tenda e deixar definitivamente o acampamento.  Para Federico Trinchero, apesar da situação ter

melhorado significativamente na capital da RCA, a insegurança mantém-se noutras regiões do país, como Bocaranga ou Bambari: «Infelizmente, há pequenos grupos de rebeldes, nem sempre bem identificados, que continuam a causar vítimas inocentes, a semear o medo e a forçar a população a deixar as aldeias». fatima missionária 08.03.2017

Mensagens populares deste blogue

EGIPTO Nova explosão no Egito às portas de outra igreja

SÍRIA Coligação internacional bombardeia barco e mata mulher e filhos

FÁTIMA Centenário das Aparições – Papa Francisco presidirá à canonização de Francisco e Jacinta Marto