IRAQUE Estado Islâmico continuará a ser uma ameaça mesmo perdendo Mossul e Raqqa

IRAQUE
Estado Islâmico continuará a ser uma ameaça mesmo perdendo Mossul e Raqqa
Habitantes de Mosul tentam escapar aos combates |  
REUTERS/SUHAIB SALEM
PUB

Enfraquecimento territorial no Iraque e na Síria poderá levar a um aumento dos ataques de baixo custo no Ocidente, defendem especialistas ouvidos pelo DN
O Estado Islâmico (Daesh em árabe) parece cada vez mais enfraquecido. A prová-lo estão as sucessivas derrotas territoriais que tem vindo a sofrer. Tudo indica que será uma questão de tempo até que Mossul caia definitivamente nas mãos das forças iraquianas. E Raqqa, na Síria, será a batalha seguinte. Terá a organização terrorista os dias contados? "Infelizmente, não creio. Perder esses dois bastiões será uma mossa muito grande, mas não o princípio do fim", defende ao DN Felipe Pathé Duarte, professor universitário e autor do livro Jihadismo Global - Das Palavras aos Actos.
Mossul, o último grande bastião do Daesh no Iraque, tem também um valor simbólico. Foi a partir daí que Abu Bakr al-Baghdadi declarou o califado em 2014. Foi a partir daí que a organização islâmica arrancou para a conquista de território na Síria e no Iraque. Depois dessa expansão inicial, os últimos meses têm sido pouco auspiciosos para o Daesh do ponto de vista militar. De acordo com o IHS Conflict Monitor, no início de 2016 os militantes do Estado Islâmico controlavam, na Síria e no Iraque, 78 000 km2. Doze meses mais tarde, em dezembro, a extensão de território nas mãos da organização tinha recuado para 60 400 km2 (o que equivale a cerca de dois terços da dimensão de Portugal). Feitas as contas, o Daesh perdeu 22,5% de território em 2016 - o que compara com uma perda de 14% em 2015. Também segundo um relatório do IHS citado pela BBC, no auge do domínio cerca de dez milhões de pessoas estariam a viver sob a égide do Estado Islâmico. Em outubro de 2016 eram apenas seis milhões e hoje serão menos ainda.
Até que ponto estará o Daesh verdadeiramente enfraquecido? "A perda territorial traz outros dois problemas ao Daesh: dificulta o financiamento e faz que seja mais complicado receber combatentes estrangeiros", explica Pathé Duarte. "Ainda assim, isto não significa que o Estado Islâmico esteja a deixar de representar uma ameaça", diz o mesmo analista. Para o professor universitário, estamos a falar de uma guerra que depende principalmente de uma ideia mais do que de domínio territorial ou de líderes: "Enquanto existir a ideia do EI, haverá sempre alguém que estará disposto a lutar em nome da causa." Por outro lado, Felipe Pathé Duarte acredita que os desaires territoriais levarão a que o Daesh sinta necessidade de provar a sua capacidade operacional, incentivando ataques de baixo custo, nomeadamente através de lobos solitários, como aconteceu, por exemplo, em Nice ou em Berlim.
"Dá a ideia de que quanto mais território o Estado Islâmico perde na Síria e no Iraque maior é a sua capacidade de fazer ataques no Ocidente", sublinha ao DN Mitchell Belfer, presidente do Centro de Informação Europa-Golfo, com sede em Roma, e diretor do Central European Journal of International and Security Studies.
O analista justifica este aparente paradoxo com o investimento que o Daesh tem realizado em células adormecidas nos países ocidentais e também com o trabalho que continua a ser feito pelos pregadores do ódio que continuam a radicalizar jovens. "O EI nunca teve grande poderio militar. Não tem aviões, nem tanques, nem artilharia e é um aglomerado de soldados que não falam a mesma língua nem se regem pelas mesmas regras. Mas essas deficiências são compensadas com o tipo de armas que usa: carros-bomba, explosivos e guerreiros ultrazelosos e corajosos", acrescenta Belfer.

Esses combatentes continuarão fiéis ao Daesh mesmo que Mossul e Raqqa acabem por cair. "É uma violência que vive muito mais da ideia do que das infraestruturas. A ideia é o centro de gravidade. Continuará a existir um incentivo aos ataques de baixo custo que mostrem a vulnerabilidade das sociedades ocidentais", sublinha Felipe Pathé Duarte.

Mensagens populares deste blogue

EGIPTO Nova explosão no Egito às portas de outra igreja

SÍRIA Coligação internacional bombardeia barco e mata mulher e filhos

FÁTIMA Centenário das Aparições – Papa Francisco presidirá à canonização de Francisco e Jacinta Marto