SUÉCIA Suécia homenageia vítimas de Estocolmo

SUÉCIA
Suécia homenageia vítimas de Estocolmo
Suécia cumpriu hoje um minuto de silêncio pelas vítimas do atentado da passada sexta-feira com um camião no centro de Estocolmo, com um balanço de quatro mortos e segundo a polícia cometido por um uzbeque com "simpatias" 'jihadistas', que vai ser indiciado.
© Reuters  ATENTADO POR LUSA    PARTILHAR

Centenas de pessoas concentraram-se junto à artéria pedonal Drottninggatan, onde uma montanha de flores foi colocada junto ao local do ataque. Ao meio-dia foi cumprindo um minuto de silêncio e na presença de numerosos polícias, com os seus veículos adornados de rosas vermelhas.

Uma cerimónia solene também decorreu na câmara municipal de Estocolmo na presença de membros da família real, do Governo, do parlamento e do corpo diplomático.
O primeiro-ministro Stefan Löfven dirigiu-se aos familiares dos quatro mortos e 15 feridos no atentado, o terceiro na Europa em duas semanas após os ataques em Londres e São Petersburgo.
Em paralelo, prossegue a investigação sobre o principal suspeito, um uzbeque de 39 anos. Segundo os documentos do tribunal da capital, obtidos pela agência noticiosa France Presse, foi identificado como Rakhmat Akilov.
Segundo os 'media' locais, trata-se de um operário, pai de quatro crianças.
Akilov é suspeito de ter lançado um camião pesado em direção à multidão e percorrido centenas de metros na rua pedonal mais frequentada de Estocolmo, antes de embater com o veículo na fachada de um grande armazém.
Detido poucas horas após o atentado, deverá ser indiciado e detido após uma audiência à porta fechada prevista para a manhã de terça-feira.

O suspeito recusou o seu advogado e solicitou um defensor "muçulmano sunita", mas o tribunal rejeitou o pedido "na ausência de motivos válidos", segundo os documentos da instância judicial.

Mensagens populares deste blogue

FÁTIMA Centenário das Aparições – Papa Francisco presidirá à canonização de Francisco e Jacinta Marto

EGIPTO Nova explosão no Egito às portas de outra igreja

SÍRIA Coligação internacional bombardeia barco e mata mulher e filhos