JEJUM Verdadeiro jejum é ajudar os outros O Papa em Santa Marta: O verdadeiro jejum é ajudar os outros.

JEJUM
Verdadeiro jejum é ajudar os outros
O Papa em Santa Marta: O verdadeiro jejum é ajudar os outros.

O verdadeiro jejum é ajudar os outros. Este foi o tema da homilia do papa Francisco na missa celebrada esta sexta-feira (3 de março)  na Domus Santa Marta.
Nos ajudará também a pensar, disse o Papa: que sente um homem depois de um jantar, que custou 200 euros, por exemplo, e volta para casa, vê um faminto, não olha para ele e continua caminhando?”
O Papa explica: as leituras do dia falam do jejum, “da penitência a que somos convidados a fazer no tempo da Quaresma” para aproximar-nos ao Senhor. O salmo diz que a Deus agrada “o coração penitente” e “o coração que se sente pecador e sabe ser pecador”.
Na primeira leitura Deus repreende a falsa religiosidade dos hipócritas que por um lado fazem penitência e por outro cometem injustiças, fazendo “negócios sujos.”
“O outro é o jejum ‘hipócrita’ é um jejum -palavra que Jesus tanto usa- para se mostrar ou para sentir-se justo, mas ao mesmo tempo cometem injustiças.
–‘Mas eu sou generoso, farei uma bela oferta à Igreja.’
–‘Mas me diga, tu pagas o justo às tuas domésticas? Paga teus funcionários sem assinar a carteira? Ou como quer a lei, para que possam dar de comer aos seus filhos?’
O santo Padre lembra um caso ocorrido logo após a II Guerra Mundial com o padre jesuíta Arrupe, quando era missionário no Japão. Um rico homem de negócios fez uma doação para atividades de evangelização, mas o acompanhava um fotógrafo e um jornalista. O envelope continha somente 10 dólares:
“Nós também fazemos o mesmo quando não pagamos o justo à nossa gente. Pegamos de nossas penitências, de nossos gestos, do jejum, da esmola, aceitamos uma propina: o suborno da vaidade, de se mostrar. Isso não é autenticidade, é hipocrisia”.
Jesus indica: ‘Quando vocês rezarem, entrem no seu quarto, fechem a porta, no escondido, quando derem esmola não faça soar a trombeta, quando jejuar não fiquem tristes. É o mesmo que dizer: Por favor, quando vocês fizerem uma boa obra não aceitem propina desta boa obra, é somente para o Pai.”
O Papa citou o Profeta Isaías, quando o Senhor fala aos hipócritas sobre o jejum verdadeiro. Palavras significativas também “para os nossos dias”:
“Não é este o jejum que escolhi: quebrar as cadeias injustas, desligar as amarras do jugo, tornar livres os que estão detidos, e romper todo tipo de sujeição?

“Não consiste talvez em dividir o pão com o faminto, deixar entrar em casa os pobres, os sem-teto, vestir o que está nu sem transcurar os próprios parentes? Pensemos nestas palavras, pensemos em nosso coração, como nós jejuamos, rezamos, damos esmolas”. ZENIT  in VM abril 2017

Mensagens populares deste blogue

EGIPTO Nova explosão no Egito às portas de outra igreja

SÍRIA Coligação internacional bombardeia barco e mata mulher e filhos

FÁTIMA Centenário das Aparições – Papa Francisco presidirá à canonização de Francisco e Jacinta Marto